A condenação de Lula

Francisco Ferraz
Publicado em: 13/07/2017

Nada de surpreendente na condenação de Lula.

As primeiras reações indicam que se tratava de um fato esperado.

O juiz Sérgio Moro fez questão de proceder como é habitual em decisões judiciais: tornou público os termos da decisão e desapareceu do cenário. Lula, diz-se, que reagiu com serenidade. A mídia repercutiu sem sensacionalismo. Líderes do PT se pronunciaram reiterando as explicações que vinham oferecendo: que foi uma decisão parcial do juiz Sérgio Moro, que condenou Lula sem provas e, que deverá ser reformada pelo Tribunal da 4ª. Região.

Reações moderadas, repercussão previsível, explicações conhecidas.

Ao que tudo indica, a pauta política deve voltar a se ocupar das dificuldades do governo Temer, das votações sobre admissibilidade para processar o presidente e sobre a Previdência Social.

Não creio, entretanto, que este estado de espírito de moderação e de expectativa para o próximo “round” da batalha judicial no Tribunal, vá se manter. Tudo leva a crer que todas as partes envolvidas: Lula, PT, CUT e a esquerda em geral esperavam e contavam com este desfecho para desencadear a próxima fase: a campanha presidencial de 2018.

Se a decisão judicial de condenação em primeira instância era uma decisão contra um ex-presidente, a decisão judicial de segunda instância (Tribunal) deverá ser tomada em relação a um possível próximo presidente.

Leia mais sobre a condenação de Lula em: A condenação de Lula: A repercussão 



COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Senhores, permitam me agradecer pelo grande serviço de educação política que nos prestam. Sou leitor assíduo me oriento e aos meus companheiros sobretudo com os textos que escrevem. Sempre obtenho algumas informações, principalmente de seus admiráveis textos.

Mauro Lopes
Belo Horizonte - MG

Leia mais >>