Reuniões de Imersão: a presença do chefe

Francisco Ferraz
Publicado em: 05/07/2017

É muito importante que o chefe decida antes se vai participar ou não. Em princípio é sempre recomendável que sim. Mas o que deve ser evitado é a participação intermitente: sentar-se, ficar por algum tempo e sair, para depois voltar e ficar mais um tempo e sair, ou ficar em conferências telefônicas, ou ainda reunir-se com os amigos mais próximos enquanto a reunião geral ocorre.

O ideal é que o chefe participe integralmente. Que tenha tempo para escutar o que outros falam, perguntar, falar, ser perguntado, conversar nos “coffee breaks”. Em resumo, ser um participante ativo e não uma presença cerimonial ou intermitente.

O sucesso da reunião vai depender diretamente da qualidade do seu planejamento prévio, que vai desde a escolha do lugar até as regras da reunião, o programa de lazer e, como é óbvio, o conteúdo da agenda de discussões e a formatação das resoluções.

Em geral destina-se este tarefa a um grupo especial que prepara a reunião, assessorando-se com empresas especializadas em eventos.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Depois que passei acessar o Política para Políticos consegui ter uma orienatação segura e minhas ações se tornaram mais objetivas. Os resultados foram imediatos e certeiros rumo ao meu propósito na vida pública.

Marco Antonio Tavares de Castro
Palmas - TO

Leia mais >>