Campanha permanente: uma introdução.

Francisco Ferraz
Publicado em: 09/10/2017

Terminada a eleição, empossado o novo governante, a concepção dominante é de que o novo governo deve “parar de fazer política” e preocupar-seem administrar. Omomento da política é a campanha eleitoral. O período de governo é o momento da administração.

Harry Truman, presidente dos EUA, sintetizou essa forma de pensar numa frase que teria dito para o recém eleito  John Kennedy: “Uma vez eleito, pare de fazer campanha”.

 Essa concepção, que separa radicalmente a atividade política da atividade de governo, é contestada por outra que sustenta: “Terminada a eleição, começa a eleição”.

Nessa maneira de ver o processo político, a clássica dicotomia: eleições=política; governo=administração, deixou de existir. Hoje é costume dizer que: terminada a campanha eleitoral, começa a nova campanha.  Cada vez mais, essa é a maneira predominante como os políticos, governantes e profissionais, passaram a encarar o período pós eleição.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Tenho recebido, diariamente, as informações do Política para Políticos e só tenho elogios ao trabalho de vocês, sobretudo quero destacar o alto nível das matérias veiculadas. Vocês estão de parabéns pela qualidade do trabalho. Continuem assim, pois tem sido uma excepcional contribuição para quem lida com estes assuntos.

Divino Pereira de Brito
Belo Horizonte - MG

Leia mais >>