A arte de governar.

Francisco Ferraz
Publicado em: 19/04/2017

“Só as pessoas inteligentes procuram para auxiliá-las pessoas mais inteligentes do que elas”.
(Baltasar Gracian - jesuíta 1601-1658)

A citação refere-se a uma regra de prudência política de grande e venerável tradição. Ela faz parte do que se chamava sobretudo nos séculos XVI, XVII e XVIII “a educação do príncipe”.

Estas obras formavam um corpo de conhecimentos voltado para o aconselhamento e advertência aos governantes, escrito por sábios de grande cultura histórica, e especial sensibilidade para o lado prático e real da política.

Os jesuítas e religiosos foram, durante muito tempo, os principais conselheiros dos reis e príncipes, produzindo peças notáveis deste tipo de literatura política. Gracián, Mazzarin e Richelieu são os nomes mais ilustres dessa categoria de pensadores, mas nem de longe os únicos.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Meus parabéns pelo caderno sobre filosofia política prática, de caráter apartidário. São movimentos como o de vossas senhorias que fazem o povo acreditar na possibilidade de uma "saída" do Brasil para seus problemas que vêm da época colonial. Gostei muito das matérias relacionadas aos clássicos da oratória.

Antonio do Rêgo Monteiro Rocha
Florianópolis - SC

Leia mais >>