O que fazer quando se é atacado - Parte I

Francisco Ferraz
Publicado em: 02/03/2017

Esta é a situação em que você não é o autor da “campanha negativa” e sim a sua vítima. Como regra geral, o candidato deve reagir a um fato desfavorável da seguinte forma:

Sempre que for possível ignorá-lo publicamente, e com esta atitude contribuir para que ele seja esquecido e saia de circulação, deve-se fazê-lo. Muitas vezes, uma questão menor ganha uma saliência desproporcional na campanha porque o candidato atribuiu a ela uma importância que não possuía.

É o próprio candidato, então, que, com suas declarações e ações, dá curso e seguimento e torna pública para eleitores desatentos uma questão que, se tivesse sido ignorada, não teria continuidade.

O problema com esta solução é que ela se aplica somente àquelas matérias de menor importância política. Adota-se esta atitude, também, como primeira reação para as questões mais graves (ressalvadas as de natureza pessoal), desde que nem a mídia e nem os adversários estejam interessados em explorá-las.

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor

Só agora conheci o Política para Políticos e fiquei interessadíssima, pois espero aprender bastante com vocês.


Solange Maria Cabral
Lajes Pintadas - RN

Leia mais >>