COMPARTILHAR
Capa > Mandato > Leis do Poder

O poderoso manda, o influente só sugere.

Francisco Ferraz
Publicado em: 06/03/2017

Nenhum conceito é mais usado na linguagem da política que o de poder. Falar em política é falar em poder. Entretanto, trata-se também de um conceito da vida diária que se aplica em muitos outros aspectos completamente distintos da política. Além disso, poder é um conceito muito próximo de outros termos, particularmente de influência. O que é então, verdadeiramente, o poder na política? Em que consiste? Qual sua função na vida social? O que o distingue de termos similares, como influência? Por que as sociedades organizam-se com base no poder e não em outros princípios?

O poder pode ser visto como uma massa de energia que a sociedade coloca nas mãos do governante, dentro de marcos legais estabelecidos, para realizar os objetivos dos seus membros. Ela é composta por recursos financeiros, ativos instalados e em operação (usinas, estradas, redes de energia etc) e, também, pessoal contratado para operar as instalações públicas e fazer a máquina do governo funcionar, em todas as suas frentes. Quem comanda esta massa de energia detém o poder, assumindo a responsabilidade pela administração pública - provendo bens e serviços comuns para a população - e pelas suas realizações - tudo o que é feito além do que já existia. Esse é o poder político em qualquer nível - uma cidade, um estado, um país. Luta-se pelo poder exatamente para adquirir o comando da massa de energia com a qual torna-se possível realizar objetivos de natureza coletiva.

Por sua própria natureza, o poder não convida, manda; não sugere, determina. O poder se ampara, em última análise, no uso legítimo da força para fazer valer as leis e a ordem pública. Há toda uma estrutura legal que legitima o uso ou a ameaça do uso da sanção física para garantir que as decisões do poder - obtidas em respeito à Constituição - sejam cumpridas e obedecidas pelos cidadãos. Portanto, o poder é uma energia muito eficiente para realizar tarefas e para afetar o comportamento das pessoas. Enquanto a influência para induzir determinado comportamento dependerá sempre da aceitação do influenciado, da sua anuência, o poder induz o comportamento desejado, independentemente da anuência, aceitação, boa ou má vontade do indivíduo afetado. A influência é sugestiva, o poder é autoritário, embora, numa democracia, ele expresse o exercício da autoridade legítima, sempre dentro dos limites estabelecidos constitucionalmente.

 

Este texto pertence a uma coluna com acesso restrito, para continuar lendo cadastre-se e escolha entre um dos planos de assinatura.

Assine Aqui

Já sou assinante

Informe seus dados abaixo para continuar.



Esqueci minha senha

 

COMPARTILHAR

Área do usuário:

E-mail

Senha

> Esqueci minha senha

> Quero me cadastrar

Curta nossa página no Facebook Siga-nos

Opinião do leitor


Parabéns pela postura pluralista e contemporânea com que abordam as notícias.


Luis Fernando Cardoso
Lisboa - PT

Leia mais >>